Guidão de bike: conheça os prós e contras de cada um

14 de maio de 2018

O guidão da bicicleta está diretamente relacionado ao conforto e performance do ciclista – qualquer milímetro de comprimento ou graus de inclinação a mais podem fazer a diferença no desempenho final.

 

Tipos de Guidão de Bicicleta

> Guidão Reto Flat

Muito popular entre os ciclistas de mountain-bike devido à sua versatilidade, o guidão reto flat nada mais é do que uma barra direta, e boa opção para quem costuma encarar subidas íngremes.

Por ter essa simplicidade no formato, a direção se torna mais previsível e precisa. Segundo Yuri, a escolha da largura do guidão depende tanto do tamanho do atleta como da intensidade das trilhas e obstáculos enfrentados.

                  Guidão Reto Flat (Fotos: Divulgação Cannondale Brasil)

Antigamente, os atletas de mountain bike usavam um guidão de bike mais estreito e com menos peso, para garantir leveza e agilidade na bicicleta. Porém, com as pistas mais técnicas e velozes de hoje em dia as medidas subiram bastante, pois o impacto a ser absorvido também é maior.

Prós:

  • Versátil e simples.
  • Melhor para espaços apertados.
  • Mais leve e barato.
  • Menor pressão na região lombar.

Contras:

  • Não indicado para terrenos extremamente íngremes e trilhas muitos velozes.
  • Não indicado para modalidades extremas de mountain bike, como downhill e enduro.

> Guidão Riser Curvo

Ao contrário do modelo anterior, o guidão riser curvo é indicado para pilotos de mountain bike extremo, pois permite uma posição mais vertical do corpo nas descidas.

“Eles são muito parecidos com os guidões retos, mas costumam ser um pouco mais largos”, explica Yuri. A maioria dos ciclistas que escolhe este tipo de componente pretende enfrentar trilhas íngremes e em maior velocidade.

                                     Guidão Riser Curvo (Fotos: Divulgação Cannondale Brasil)

Prós:

  • Mais controle em descidas.
  • Mais confortável para os punhos, pois a maior parte do peso se distribui para trás.
  • Muitos atletas usam a curvatura para baixo para oferecer uma melhor posição para subidas, apesar de não ser tão confortável nessa hora.

Contras:

  • Mais caros e pesados do que os guidões retos.
  • Por serem muitas vezes mais largos, podem ser difíceis de manejar em trechos estreitos.
  • Não são boas escolhas para subidas.
  • Não têm boa aerodinâmica.

 

> Bullhorn Bars

São essencialmente guidões retos que dão a opção de guiar a bike com a posição ainda mais abaixada, melhorando a aerodinâmica em um pedal mais agressivo. “São muito usados em bikes fixas, por serem considerados estilosos”, completa Yuri.

                       Guidão Bullhorn (Fotos: Divulgação Cannondale Brasil)

Prós:

  • Boa aerodinâmica.
  • Muito bons para subidas.

Contras:

  • São normalmente mais estreitos na região central, o que torna a direção mais instável devido à alta alavancagem.
  • Não são indicados para uso cotidiano, por serem perigosos em casos de colisão com obstáculos inesperados (ou com outra pessoa!).

> Drop Bars (guidão de ciclismo de estrada)

“São muito populares entre os amantes do ciclismo de estrada, por sua versatilidade (oferecem diferentes pegadas) e boa aparência”, conta Yuri. Os Drop Bars conseguem ser guiados com menor alavancagem, o que os torna muito precisos.

Guidão Drop Bars (Fotos: Divulgação Cannondale Brasil)

 

Prós:

  • Ótima aerodinâmica.
  • Alta versatilidade.
  • Garante boa posição para pedalar forte.
  • Boa alavancagem aliada à boa aparência.

Contras:

  • Não indicados para quem prefere um pedal mais “relaxado”, por serem pensados para uma pedalada mais agressiva.

> Cruiser Bars (também conhecido como “guidão caiçara”):

Esse tipo de guidão normalmente é utilizado para passeio, na beira da praia ou na ciclovia. Ele garante uma posição confortável e relaxada para pedalar sentado.

                  Guidão Cruiser Bars (Fotos: Divulgação Cannondale Brasil)

Prós:

  • Conforto absoluto.
  • Bons para uso de cestinha para carregar objetos.

Contras:

  • Você precisará de um selim mais confortável.
  • Péssimo para subidas e descidas.
  • Não indicado para mountain bike nem ciclismo de estrada.

Fonte: Ativo